O Brasil tem sorte

Zeca Dirceu

Somos um país de sorte. E temos um sem número de exemplos na internet de que a sorte é a gente quem faz, basta correr atrás. Foi o que aconteceu. Ainda que o caso do Brasil seja bastante peculiar. A sorte começou a sorrir em 30 de outubro de 2022 com a eleição do presidente Lula (PT).

E de lá para cá, inexplicavelmente para os agouros de plantão, a sorte só aumentou, na verdade, tomou conta do país, apesar de uma tentativa de golpe no meio do caminho e de todas as projeções negativas dos agentes do ‘mercado’ a respeito da economia, do crescimento do PIB e até em relação a criação de 1,8 milhão de novos empregos com carteira assinada.

Vai ter sorte lá na China. Aliás, com a China e outros países, a balança comercial brasileira teve muita sorte. De janeiro a novembro, as exportações passaram de US$ 310 bilhões e as importações somaram US$ 221 bilhões. A diferença entre o que o país vendeu e o que comprou chegou a quase US$ 90 bilhões, o patamar mais alto da série histórica.

Mas para ser justo com o sortilégio do destino, é preciso fazer uma cronologia, uma linha do tempo de como a sorte nos alcançou e colocou o Brasil novamente no caminho do crescimento de cerca de 3,1% em 2023 e se transformou na 9º economia mundial, ante o 11º lugar ocupado no ano passado. Haja tanta sorte.

Após a eleição de Lula, a boa fortuna deu as caras de novo ainda em dezembro com a aprovação da PEC da Transição, o que permitiu R$ 145 bilhões além do teto de gastos, para o governo recriar o Bolsa Família e aumentar os recursos para saúde, retomando o Farmácia Popular, entre outros investimentos.

A sorte continuou a nos perseguir em todo ano de 2023. No Congresso Nacional, mesmo com o governo em minoria, projetos que impactaram positivamente a vida do brasileiro avançaram nos campos econômico, social e tributário. Foi aprovado, por exemplo, o novo marco fiscal, sepultando o teto de gastos que impedia o aumento real do salário mínimo e do Bolsa Família.

As políticas sociais, marcas do governo Lula, contaram com apoio do Congresso e avançaram em áreas como o combate à fome, valorização do salário mínimo, questões étnico-raciais, ambientais e de direitos humanos, aprimoramento das políticas de educação, cultura, saúde, moradia e no campo agrário.

Foram recriados os programas como o Mais Médicos e Minha Casa, Minha Vida, os já citados Bolsa Família e o Farmácia Popular. Também temos o Novo PAC, o Desenrola Brasil, e a taxação de empresas offshores e de fundos financeiros exclusivos pertencentes a bilionários que praticamente não pagavam impostos.

Se a sorte favorece os destemidos, não tem melhor exemplo que a aprovação da Reforma Tributária, há mais de três décadas em discussão no Congresso, que simplifica o sistema tributário, inclui a cobrança de impostos dos ricos e menos taxação dos pobres, com a adoção de regras que vão permitir, inclusive, a atração de investimentos estrangeiros.

Além disso, o Congresso Nacional aprovou a proposta do governo federal para a compensação a estados e municípios no total de R$ 27 bilhões, pela redução do ICMS incidente sobre combustíveis, vigente de junho a dezembro de 2022. Fui relator deste projeto que compensa as perdas que os municípios tiveram, fruto de uma medida eleitoreira do governo anterior. Avançamos e garantimos a antecipação da compensação que ocorreria em 2024, 2025 e 2026.

Nesta nova onda de sorte, a educação pública voltou a ser prioridade com a liberação de quase R$ 4 bilhões para a conclusão de mais de 3,5 mil obras escolares inacabadas. Além disso, no orçamento de 2024, já estão previstos a recomposição dos pisos da Saúde para R$ 218,3 bilhões, valor superior em R$ 50,2 bilhões ao previsto em 2023, e da Educação para R$ 112,5 bilhões, valor superior em R$ 12,6 bilhões ao previsto em 2023.

No cenário internacional – registro o pesar pela guerra da Ucrânia e do contínuo massacre do povo palestino em Gaza -, a sorte colocou o Brasil novamente no mapa do mundo, recuperou sua imagem e protagonismo depois de ter-se tornado praticamente um pária, um espalha roda, com o governo anterior. A balança comercial brasileira, que pontuei logo acima, mostra o resultado, que será mais potencializado ainda nos próximos, das viagens do presidente Lula ao exterior.

Em 2023, por pura sorte apara alguns, o Brasil retornou ao leito da democracia, da solidariedade, da soberania nacional, da igualdade e da equidade, com base em modelo que promove inclusão social, renda e empregos para garantir à população mais qualidade de vida, dignidade e esperança de dias melhores.

Em 2024, daremos sequência às ações para garantir um país mais justo e desenvolvido, em bases plurais, solidárias, democráticas, justas e ambientalmente sustentáveis. E como diz o verso de Antônio Cícero: “você me abre seus braços e a gente faz um país”.

Um bom natal e um 2024 com mais sorte ainda do que tivemos em 2023.

Zeca Dirceu, deputado federal pelo Paraná, é líder do PT na Câmara dos Deputados

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More