Itaipu apresenta Unidades de Valorização de Recicláveis na COP28

Separação de resíduos | foto: Rubens Fraulini / Itaipu Binacional

A Itaipu mostrou na 28ª Conferência de Mudanças Climáticas da ONU, a COP28, a metodologia para implantação e operação das Unidades de Valorização de Recicláveis (UVRs). O conhecimento construído pela Diretoria de Coordenação de Itaipu e parceiros nos últimos anos é gerenciado e disseminado pela Universidade Corporativa Itaipu (UCI).

Criada em 2006, na época da instalação das duas últimas unidades geradoras da usina hidrelétrica, a UCI foi relançada no último dia 13 de novembro. Ao longo de sua história, Itaipu em parceria com universidades e prefeituras gerou uma série de conhecimentos. Agora, com a retomada da UCI, a intenção da atual gestão é fazer a curadoria e gestão desse conhecimento, que pode ser aplicado em projetos internos da empresa ou em atividades externas em benefícios de toda sociedade.

De acordo com o coordenador da UCI-Brasil, Ariel Scheffer da Silva, apesar do nome “universidade”, a UCI pouco se parece com uma instituição de ensino convencional. “Nenhuma universidade corporativa é, de fato, uma ‘universidade’. Ela é um órgão de uma empresa que faz a gestão do conhecimento e a capacitação interna e que pode colaborar com a sociedade de alguma forma”, explicou Scheffer, ressaltando que a UCI sequer tem um prédio, sendo muitos dos cursos acessados de forma virtual.

Além disso, o coordenador da UCI lembrou da importância da Universidade Corporativa para o subsídio às pesquisas e a gestão dos conhecimentos utilizados dentro da empresa. “A universidade tradicional tem um papel extremamente importante na formação humana com ensino, pesquisa e extensão. Já a universidade corporativa é uma interface da educação corporativa com pesquisa, desenvolvimento e inovação, e com a gestão e difusão do conhecimento”, reforçou Scheffer.

Ele explicou, ainda, que o caso da gestão dos resíduos sólidos é apenas um exemplo de como esse conhecimento pode ser compartilhado com a sociedade. “A metodologia para construção do galpão, a contratação dos agentes da coleta seletiva por meio de política pública da Prefeitura, as campanhas para separação correta dos resíduos pela população, toda essa tecnologia social faz parte de um conhecimento consolidado e documentado que está, agora, à disposição da sociedade.”

Valorização de Recicláveis

A atuação da Itaipu na implantação das UVRs no Oeste do Paraná começou em 2003, quando foi criada a primeira associação de recicladores da região. Hoje já são 68 UVRs em 55 municípios, com 1.092 empregos diretos e renda média de R$ 1,7 mil por mês. Em torno de 2,4 mil toneladas de material é reciclado mensalmente no território de influência da empresa.

Além de difundir a tecnologia da implantação e manutenção das UVRs, Itaipu custeia 80% do valor das estruturas e, por meio do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), fornece capacitação e assistência técnica aos catadores. O PTI também monitora, através do “reciclômetro”, todo o material que é reciclado em cada UVR.

Com a criação do Programa Itaipu Mais que Energia, é potencializada a disseminação deste conhecimento gerenciado pela UCI. A metodologia em ações com relevância social e ambiental vai chegar aos 399 municípios do Paraná e os 35 do Mato Grosso do Sul abrangidos pelo Programa.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More